Oferecer conforto acústico não é fechar as pessoas em uma sala

Oferecer conforto acústico não é fechar as pessoas em uma sala

Ambiente preparado com diversos recursos para conforto acústico, permitindo que as pessoas escolham trabalhar mais integradas ou concentradas, mantendo a conexão com o ambiente. Mobiliário e soluções acústicas da RS Design.

A população mundial sentiu na pele os efeitos negativos do isolamento quando foi obrigada a se manter afastada do convívio social durante as fases mais duras da pandemia. Ao mesmo tempo, também aprendeu como é difícil ter de trabalhar e se concentrar em um ambiente nada adequado, onde há muito barulho e interferências. Com todo esse aprendizado, o ramo da arquitetura corporativa tem uma lição a compartilhar: conforto acústico não é deixar a pessoa isolada.

O que queremos dizer com isso é que ao sentir a necessidade de prover um ambiente sonoramente mais confortável, as empresas devem fugir da ideia de disponibilizar salas totalmente fechadas para que as pessoas ocupem em seus momentos de maior concentração. Hoje em dia temos soluções mais elegantes, interessantes e esteticamente agradáveis para esses casos.

“Os trabalhadores não querem se isolar totalmente e, justamente por isso, as cabines acústicas têm feito tanto sucesso”, comenta Lisandra Mascotto, da RS Design. De acordo com a especialista, existem modelos abertos ou com portas e laterais vidro e, por estarem inseridas no meio de uma área pulsante da empresa, as cabines permitem que as pessoas conquistem a concentração necessária sem deixar de fazer parte do contexto geral da companhia. 

Oferecer conforto acústico não é fechar as pessoas em uma sala

Da esquerda para direita, Cabine Acústica produzida com material PET reciclado de ótima absorção dos ruídos e Cabine Acústica Level 2, com portas e lateral de vidro, totalmente revestida internamente com material acústico, possuindo exaustor e mesa de trabalho. Ambas fornecidas pela RS Design.

Devemos lembrar, também, que a ideia da cabine não é que a pessoa passe todo o seu expediente lá dentro, trabalhando sozinha. A proposta é que ela se mantenha integrada ao time e use esse espaço somente durante atividades que exigem essa privacidade como, por exemplo, uma videoconferência ou a realização de uma tarefa que carece de silêncio.

“Essa é mais uma vantagem da cabine. Por ser compacta em seu espaço interno, ela estimula que o profissional mantenha o uso somente durante o tempo necessário, ou seja, ela fomenta o movimento tão importante nas companhias modernas”, complementa Lisandra.

Veja mais informações sobre as Cabines Acústicas clicando AQUI.

Oferecer conforto acústico não é fechar as pessoas em uma sala

Esse é um exemplo de uma casinha aberta acústica que permite mais privacidade sem isolar o profissional do restante da equipe. Mobiliário RS Design.

Para os escritórios que já aderiram às cabines, mas ainda assim precisam melhorar a acústica dos espaços coletivos, as soluções também são diversificadas e valiosas. “Para os ambientes abertos existem muitos recursos que melhoram o condicionamento acústico, diminuindo os ruídos indesejáveis e tornando mais legíveis os sons que realmente importam”, explica Lisandra. Ela se refere, por exemplo, a produtos como nuvens, baffles, painéis, casinhas abertas com revestimento acústico, divisórias de ambiente e de mesa e biombos.

Por fim, o importante é reconhecer o desenvolvimento do mercado e das soluções acústicas para garantir um ambiente saudável e aconchegante para as equipes que agora têm, em seu histórico profissional, o isolamento de uma pandemia.

Oferecer conforto acústico não é fechar as pessoas em uma sala

Nesta imagem conseguimos observar divisórias acústicas de ambiente da RS Design, além de nuvens em formatos hexagonais no teto.

Voltar para home Espaço do Arquiteto
Comentários
0 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *