Escritório Open Space – Como melhorar a acústica?

Nesse ambiente com pé-direito duplo, o projeto conta com um mezanino e as bancadas de trabalho utilizaram painéis acústicos do portfólio da RS Design para melhorar o conforto do local.

Sempre pontuamos, aqui no Espaço do Arquiteto, as vantagens e desvantagens dos escritórios open space e como sanar aqueles pontos problemáticos. E um desses pontos que trazemos é, justamente, a falta de conforto acústico.

Segundo o Disproving Widespread Myths about Workplace Design, as conversas alheias são a maior causa de distração, estresse e perda de desempenho fazendo com que 67% dos trabalhadores estejam frequentemente distraídos. E quem pensa que em um escritório totalmente aberto não é possível usar recursos para impedir os burburinhos das pessoas ao lado, está equivocado. Hoje existem inúmeras soluções capazes de compor um excelente projeto acústico para qualquer tipo de ambiente, mesmo aqueles em que os ruídos tendem a se propagar de forma livre.

Mas vamos a algumas dicas úteis de como construir um escritório open office totalmente confortável quando o assunto é a acústica.

1. Multispace

O primeiro ponto que deve ser considerado é que hoje em dia os escritórios tendem a ser multispace, ou seja, envolver em um mesmo ambiente múltiplos formatos para múltiplas atividades. Temos um post exatamente sobre isso que você pode acessar clicando AQUI. Um escritório multispace tem espaços abertos, mas tem, também, espaços fechados para trabalho mais focado, silencioso, reuniões, etc. Assim, nesses locais, é possível utilizar baffles ou nuvens por todo o ambiente, além de painéis divisórios (quando necessário) e materiais absorvedores nas cabines e nos ambientes criados para a realização de atividades que exigem mais foco e concentração.

2. Dimensões e layout
Se o espaço for todo aberto e acomodar um grande grupo de pessoas, o ideal seria sempre considerar locais com pé direito mais alto. Quanto mais alto o ambiente, menor a sensação de confinamento dos ocupantes e melhor a acústica, visto que quanto maior o volume de ar, maior a absorção sonora. Dessa forma, caso o imóvel tenha um pé direito duplo o projeto pode, inclusive, considerar a construção de um mezanino. Na parte debaixo, onde há um pé direito avantajado, podem ser alocadas as estações de trabalho para as pessoas permanecem juntas em um open space. No mezanino, podem ser construídas as salas individuais e de reuniões, já que para uma ocupação menor, o pé direito não tem tanta interferência. Dessa forma, existem soluções diferentes para diferentes necessidades e para diferentes alturas dos ambientes.

3. Distância entre os ocupantes
Imagine um local onde uma pessoa está muito próxima a outra e ambas estão digitando nos teclados enquanto falam ao telefone? Só de imaginar sabemos que ali não há como fugir do barulho. Para resolver esse ponto, é importante considerar um layout com um distanciamento maior entre as pessoas. Aqui, inclusive, ultrapassa a barreira da acústica. Hoje, em tempos de pandemia, sabemos que o distanciamento preserva a saúde. Além disso, ter uma distância razoável é uma atitude social, pois traz acessibilidade para pessoas obesas, com dificuldades motoras e visuais ou que utilizam cadeiras de rodas, por exemplo.

E é possível construir essa distância sem “jogar o espaço fora”. Ao colocar, por exemplo, um gaveteiro entre um colaborador e outro, você já está os separando de forma prática. É o mobiliário auxiliando na construção do projeto.

Agora que já pensamos em técnicas de projeção de layout que também ajudam na construção de um ambiente com conforto acústico, vamos, de fato, às soluções acústicas para os escritórios open space. Para tal, falaremos sobre três ações: Absorver, Bloquear a Cobrir.
Confira cada uma delas!

Absorver

Lembram que no post anterior falamos sobre a NBR 10152 que trata de ruído residual. É justamente essa a norma que nos ensina a necessidade de absorver a reverberação dos sons nos espaços.

Para isso, forros absorventes são excelentes, sejam eles os mais convencionais que ainda são muito utilizados para embutir ar-condicionado e iluminação, sejam os mais modernos que além de tudo contribuem para a estética do espaço e podem ser definidos como as nuvens acústicas e os baffles, que por vezes trazem até mais eficiência do que as nuvens.

Exemplo de nuvens disponíveis no catálogo da RS Design e que promovem conforto acústico ao mesmo tempo em que criam um ambiente visualmente agradável.

Bloquear

Aqui, apostar em biombos, divisórias e painéis é um ótimo caminho para bloquear os ruídos. E quando se pensa em painéis, quanto maior a altura, maior o efeito. Segundo a norma internacional, medindo do chão ao topo, no mínimo esses painéis devem ter 1,40 para obtenção de bons resultados. E, em espaços abertos, biombos e divisórias podem ser móveis, ou seja, podem contribuir em ocasiões em que há necessidade de mais silêncio e, posteriormente, serem removidos.

Mas não são só essas as soluções que ajudam no bloqueio. Armários também são eficientes. É quase como se o som tivesse de contornar o móvel para chegar ao outro lado. Então, uma sugestão simples é, em vez de colocar as pessoas frente a frente e colocar os armários todos ao fundo, por que não trazer esse mobiliário para o meio do espaço, dividindo as fileiras e criando seções de som mais restritas?

Esse espaço de trabalho com soluções da RS Design conta com uma casinha com acabamento acústico para pequenas reuniões.

Ainda nos planos abertos, é possível investir naquelas cabines acústicas e nos sofás com encosto alto para a criação de ilhas de silêncio. E nesses espaços, é preciso garantir que o som ali dentro fique agradável para quem o ocupa e, ao mesmo tempo, garantir que esse som não vaze para o restante do espaço. Tem que ser uma via de mão dupla.

Nessa imagem podemos visualizar tanto as divisórias que foram postas no entroncamento das mesas quanto os painéis colocados sobre as mesas e que trazem muito mais conforto e privacidade.

Cobrir

Essa terceira vertente podemos falar que é um “extra”. Muitas vezes, absorver e bloquear são atitudes suficientes. Mas quando o espaço ainda precisa de algo para se tornar plenamente confortável, há a possibilidade de utilizar ferramentas para mascaramento sonoro. Principalmente quando há silêncio demais. Nesse caso, alto-falantes são distribuídos pelo espaço reproduzindo ruídos brancos ou rosa (sinais sonoros artificiais onde os ruídos têm, todos, a mesma frequência como, por exemplo, o chiado de uma televisão sem sintonia ou o barulho de um ar-condicionado em funcionamento), sons da natureza ou música ambiente.

Fique de olho que nos próximos posts traremos sugestões para acústica de escritórios mais tradicionais, fechados, afinal, o Brasil tem uma pluralidade de espaços corporativos e em todos é possível conquistar um bom conforto sonoro.

Voltar para home Espaço do Arquiteto
Comentários
0 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *