Conforto e ergonomia no escritório

Problemas de postura costumam atingir a todos que passam longos períodos sentados de forma incorreta. Segundo a Associação Brasileira de Ergonomia (ABERGO), cerca de 6% dos trabalhadores brasileiros sofrem de problemas do tipo. Os sintomas aparentes costumam se manifestar em forma de dores, inchaços e sensação de cansaço exagerado. É por isso que um dos itens mais discutidos e cobrados, seja você contratado ou autônomo, é quanto ao cuidado destinado à sua ergonomia, ao modo como se porta, quando está no seu escritório.   A determinação de quais procedimentos devem ser adotados, para prover maior conforto ao trabalhador, envolve um estudo complexo, que leva em consideração fatores externos e, até, o biotipo do usuário, o que deixa mais difícil a aplicação de recomendações exatas sobre o que deve ou não ser feito. Contudo, o que se pode afirmar é que algumas dicas, aparentemente, simples, podem ser de grande valia, se seguidas com cuidado.  A primeira delas é levar em consideração, sempre, as orientações vigentes na NR-17, criada pela ABNT, que visa garantir a saúde, segurança e bem-estar do trabalhador, no que diz respeito a escolha de mobílias e demais equipamentos para escritório. Além disso, a ABERGO ainda constatou que posturas dinâmicas, quando o corpo está em movimento, tendem a ser menos prejudiciais do que ficar estático, o tempo todo, numa cadeira de escritório.  Mas fique atento! Para os que trabalham por seis horas ou mais, por dia, o posto ideal de trabalho deve ser aquele que proporciona liberdade em pé e sentado. Isso se deve ao fato de que o  usuário, certamente, buscará posições mais confortáveis, ao longo do dia. E para lidar com essa constante mudança de posições, procure cadeiras e mesas com altura e inclinação melhores para você, que se adaptem ao seu gosto (não só pelo design) e que tenham funcionalidades compatíveis com seu trabalho. Nas cadeiras, opte por modelos ajustáveis no assento, no encosto e nos braços. Já nas mesas, o modelo ideal dependerá de fatores como o seu tamanho, o número de gavetas a serem utilizadas e a largura da mesa.Problemas de postura costumam atingir a todos que passam longos períodos sentados de forma incorreta. Segundo a Associação Brasileira de Ergonomia (ABERGO), cerca de 6% dos trabalhadores brasileiros sofrem de problemas do tipo. Os sintomas aparentes costumam se manifestar em forma de dores, inchaços e sensação de cansaço exagerado. É por isso que um dos itens mais discutidos e cobrados, seja você contratado ou autônomo, é quanto ao cuidado destinado à sua ergonomia, ao modo como se porta, quando está no seu escritório.

A determinação de quais procedimentos devem ser adotados, para prover maior conforto ao trabalhador, envolve um estudo complexo, que leva em consideração fatores externos e, até, o biotipo do usuário, o que deixa mais difícil a aplicação de recomendações exatas sobre o que deve ou não ser feito. Contudo, o que se pode afirmar é que algumas dicas, aparentemente, simples, podem ser de grande valia, se seguidas com cuidado.

A primeira delas é levar em consideração, sempre, as orientações vigentes na NR-17, criada pela ABNT, que visa garantir a saúde, segurança e bem-estar do trabalhador, no que diz respeito a escolha de mobílias e demais equipamentos para escritório. Além disso, a ABERGO ainda constatou que posturas dinâmicas, quando o corpo está em movimento, tendem a ser menos prejudiciais do que ficar estático, o tempo todo, numa cadeira de escritório.

Mas fique atento! Para os que trabalham por seis horas ou mais, por dia, o posto ideal de trabalho deve ser aquele que proporciona liberdade em pé e sentado. Isso se deve ao fato de que o usuário, certamente, buscará posições mais confortáveis, ao longo do dia. E para lidar com essa constante mudança de posições, procure cadeiras e mesas com altura e inclinação melhores para você, que se adaptem ao seu gosto (não só pelo design) e que tenham funcionalidades compatíveis com seu trabalho. Nas cadeiras, opte por modelos ajustáveis no assento, no encosto e nos braços. Já nas mesas, o modelo ideal dependerá de fatores como o seu tamanho, o número de gavetas a serem utilizadas e a largura da mesa.

Comentários
1 Comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *